AVIAÇÃO MILITARNOTICIASNOTÍCIAS MUNDOSem categoriaTECNOLOGIA

O ‘Dynamic Flight Simulator’ da Força Aérea Sueca

Voar caças de última geração como o Saab Gripen não é para qualquer pessoa. É preciso possuir o preparo e as condições físicas para voar com segurança e suportar as elevadas cargas G em combate aéreo.

A Força Aérea Sueca possui um simulador de voo combinado com um centrifugador que serve como treinador para pilotos de Gripen e como laboratório médico, para pesquisas sobre os efeitos das elevadas cargas G nos pilotos.

O sistema permite aos pilotos “puxar” 9 G e comandar a aeronave simulada em qualquer atitude de “pitch” e “roll”, com uma experiência muito próxima da encontrada num caça de verdade.

Projetado visando o realismo, o Dynamic Flight Simulator (DFS) fica em Linköping, Suécia, sendo considerado o primeiro equipamento de quarta-geração, um sistema baseado em terra capaz de puxar Gs e replicar as condições de de voo de um caça tático moderno.

O DFS é basicamente um mock-up da cabine do Gripen montado na ponta de um braço centrifugador. O sistema representa um enorme salto no treinamento de pilotos e nas capacidades de pesquisas de fisiologia.

O sistema foi projetado pela Wyle Laboratories da California e possui uma série de características para emular o voo com altas cargas G: 

Um motor de corrente contínua que movimenta um braço de cerca de 10m;
Uma grande gôndola esférica, suspensa por cardans e configurada com os displays e controles do cockpit do Gripen, com três telas;
Um sistema de controle baseado no Gripen, com modelo de voo que simula com precisão as características dinâmicas de resposta da aeronave;
Algoritmos de percepção no sistema de controle que “enganam” o sistema vestibular do piloto, provendo um grau de realismo que não é possível de ser alcançado em centrífugas convencionais, de acordo com o fabricante;
Um sistema de controle fechado, no qual o piloto voa o DFS e comanda totalmente movimento. Modos pré-programados também estão disponíveis;

A Força Aérea Sueca viu-se obrigada a adquirir um simulador de altos G quando incorporou o JAS 39 Gripen, um caça capaz de puxar 9 G quase que instantâneamente e sustentar este nível por longos períodos.

Reconheceu-se que aeronaves e pilotos poderiam ser perdidos pelo fenômeno “G-loc” (perda de consciência induzida por G), que faz com que alguns pilotos desmaiem em voo.

Alguns incidentes ocorridos no início do programa de desenvolvimento do Gripen levaram a Força Aérea Sueca a concluir que não havia pesquisa suficiente para altos Gs na área de fisiologia de aviação.

Consequentemente, decidiu-se adquirir o simulador, para desenvolver a expertise na área e treinar os pilotos suecos para lidar com voos em alto G.

Voar um caça rotineiramente, permite ao piloto desenvolver a capacidade de lidar com as condições de alto G. Ele instintivamente firma as pernas e os músculos abdominais, auxiliado pela inflação do traje G (G-suit), que espreme as pernas e o abdômen.

Pilotos também são treinados na respiração anti-G, que consiste de respiração curta, enquanto se mantém os músculos tensionados.

O esforço é essencial para manter o fluxo de sangue na cabeça, enquanto as cargas G aumentam. Se o sangue sai da cabeça enquanto se puxa Gs numa curva, a visão do piloto diminui a partir das bordas, formando a chamada “visão de túnel”.

Altos Gs ou a relaxação da manobra no tempo errado, pode fechar o túnel completamente e mesmo que o piloto tenha os olhos abertos, ele não consegue enxergar nada, além uma tela cinza.

A próxima fase é a do “blackout”, quando o piloto perde totalmente a consciência. Pode levar até um minuto para um piloto conseguir voltar ao normal, depois de sair de um “blackout”.

O DFS é um meio efetivo para os pilotos treinaram a resistência na visão de túnel ou o “black out”, realizando a respiração curta anti-G sob condições controladas.

Alguns pilotos podem aprender rápido, outros demoram mais e 1% deles são reprovados para o voo em caças. Por isso o DFS também é usado para testar a resistência de futuros candidatos a voar o Gripen, que têm que suportar 15 segundos voando sob 9 G.

FONTE: Poder Aéreo

Leia mais...

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close
Close