personal...Sem categoria

Major Brigadeiro-do-Ar – Patrono da Aviação de Patrulha

Nascido no Rio de Janeiro (DF), foi admitido na Escola Naval em abril de 1930. Foi declarado Guarda Marinha a 1 de dezembro de 1933. Guarneceu o Navio Escola Saldanha da Gama, em sua viagem inaugural Inglaterara-Brasil.

Fez curso de aviador naval, tendo solado em avião De Havilland DH – 82 (Tiger Moth) em 15/09/36.

Brevetado, foi servir na 2ª Esquadrilha de Adestramento Militar, onde voou Fairey Mk VIII (Gordon).No restante de seu tempo na Marinha, voou ainda as aeronaves Wacco CSO, Wacco CJC, Focke Wulf 44J, Focke Wulf 58B e North American 46.

Fez as linhas do Correio Aéreo Naval.

Já no posto de capitão-tenente, ao qual fora promovido em 1 de junho de 1940, foi incluído na Força Aérea Brasileira em 20/01/41 como Capitão Aviador, com a criação do Ministério da Aeronáutica.

Serviu no Gabinete Técnico do Ministério da Aeronáuticae, com a criação do Agrupamentode Aviões de Adaptação em

Fortaleza, em 1942, fez sua transição para os novos aviões que a FAB estava recebendo.

Fez o translado em vôo, do EEU para o Brasil, de diversas aeronaves – A primeira como piloto e as outras como Comandante da Esquadrilha.

– Vultee BT-15 – Saída de San Antonio, Texas em 23/03/42 e

– North American AT-6C – Saída de San Antonio, Texas e 02/07/43 e

– North American B-25J – Saída de San Antonio, Texas em 26/12/47 e

– Lockheed P-2V-5 (P-15 na FAB) – Saída de Fresno, Califórnia em 17/12/58 comandando uma Esquadrilha de 5 aeronaves para o 1º/7º GAv-B Ae Sv.

Como Capitão serviu no 2º Grupamento de Patrulha na Unidade Volante da Base Aérea do Galeão, onde voou Lockheed A28A (Hudson) e Consolidated PBY-5 (Catalina).

O BRASIL NA GUERRA – ATUAÇÃO DE PATRULHA

A 22 de agosto de 1942o Brasil declarou guerra a Alemanha e Itália.

O 2º grupo de Patrulha foi das primeiras unidae, da FAB a executar missões sobre o Atlântico.

O Capitão Aviador TAUNAY, voou 67 missões de Patrulha em aeronaves Hudson A-28A e Catalinas PBY-5.

Seu batismo de fogo ocorreu no dia 30 de outubro de 1943 quando fazia uma missão de cobertura aérea de comboio voando um avião Catalina PBY-5. Ao avistar um submarino, ao largo de Cabo Frio, realizou atque com bombas de profundidade e tiros de metralhadora, tendo enfrentado reação antiaérea. O Catalina foi atingido no motor, na fuselagem e na empenagem, sendo obrigado a embandeirar a hélice direita.

No evento, dois tripulantes foram feridos pelos tiros da artilharia antiaérea:

1º Mecânico 1S-A-Av Halley Passos

2º Mecânico 3S-Q-Av Humberto Mirabelli.

O Ministro da Aeronáutica, pelo Aviso 165, de 13 de novembro de 1943, elogiou a tripulação:

“Tomando conhecimento da parte relativa ao ataque feito a um submarino inimigo, no dia 30 de outubro dindo, por um avião do 1º da Unidade Volante da Base Aérea do Galeão, tenho grande satisfação em louvar o Capitão Aviador Dionysio Cerqueira de Taunay comandante do avião e sua tripulação pela bravura com que, evidenciando mais uma vez a eficiência da Força Aérea Brasileira, se conduziram no Combate travado e que resultou no afundamento do submarino”.

(a) Salgado Filho – Ministro da Aeronáutica

CURSO DE PATRULHA

O Capitão Aviador TAUNAY foi promovido a Major Aviador em 04/12/43 tendo assumido o comando do 2º Grupo de Patrulha , equipado à época com aeronaves Consolidated PBY-5A Catalina (Anfíbio).

Durante seu Comando, em 1944, foi realizado o Curso de Patrulha nessa Unidade, (USBATU) – (United State Brazilian Air Training Unit), com orientação de oficiais da Marinha Americana (US NAVY), tendo ao final recebido diploma de Primeiro Piloto de Patrulha.

CAMPANHA DA ITÁLIA

Com o Brasil participando da Campanha na Europa, o Major Aviador Dionysio Cerqueira de TAUNAY foi designado Oficial de Ligação da FAB com USAAF (United States Army Air Forces) na Itália, onde permaneceu até o fim das hostilidades.

CARREIRA PÓS-GUERRA

Realizou o curso de Estado_maior em Fort Leavenworth, USAAF, em 1945/46.

De volta ao Brasil, foi para ECEMAR fazer Curso Superior de Comando, após o qual, permaneceu como instrutor por mais 3 anos.

Em 1950 foi classificado no Estado-Maior da Aeronáutica (2ª Seção).

Criado o Comando de Transporte Aéreo (COMTA), 1951, foi seu primeiro chefe de Estado-Maior.

No CAN (Correio Aéreo Nacional) voou as aeronaves Douglas C-47 e Curtiss Comando C-46.

Em 1953 comandou a Base Aérea de Belém, sede do 1º/2º Grupo de Patrulha equipado com aeronaves PBY-5 e PBY-5A – Catalina (hidroavião e amfíbio), que além de Unidade Patrulha era responsável pelo Correio da Fronteira Amazônica.

Em função de sua experiência operacional durante a guerra, muito contribuiu para o rendimento do treinamento realizado naquela Unidade.

Foi nomeado Adido Aeronáutico em Caracas, Venezuela e, posteriormente, oficial da Comissão Militar Mista de Defesa Brasil-Estados Unidos (CMMDBEU), com sede em Washington (DC), nos Estados Unidos.

MEDALHAS COM QUE FOI AGRACIADO

– Medalhas de Serviço Militar (Ouro-30 anos)

– Medalha Mérito Aeronáutico (Grau de Comendador)

– Medalha Campanha do Atlântico Sul

– Medalha Mérito Aeronáutico (Grau de Comendador)

– Medalha Cruz de Aviação – Fita A

– Medalha Cruz de Aviação – Fita B – 3 Estrelas

– Medalha da Campanha da Itália

– Medalha Estrela Negra da União Frances

FINAL DE CARREIRA

Com o chamado Acordo de Noronha, o Brasil recebeu diversas aeronaves para equipar suas Unidades Aéreas.

Para o cumprimento de Missões de Patrulha, o 1º/7º GAv sediado na Base Aérea de Salvador recebeu 14 aeronaves Lockheed PSV-5 (Netuno).

No Posto de Coronel Aviador foi nomeado Comandante da Base Aérea de Salvador, e responsabilidade pela implementação das novas aeronaves de Patrulha.

Antes de assumir seu novo Comando participou do treinamento das equipagens do 1º/7º GAv no curso que iriam realizar na Marinha Americana (US NAVY) nas Bases Aéreas de Corpus Christi – Texas (Treinamento Básico em aeronaves P2V-2, P2V-3 e P2V-4), na Base Aérea de Jacksonville – Flórida (Treinamento Operacional em aeronaves P2V-5 F em um Esquadrão de emprego da US NAVY), e Treinamento de Táticas de Emprego da Aviação de Patrulha na Base Aérea de Norfolk – Virgínia. Com um tempo total de 4 meses nesse treinamento.

Terminado o treinamento, o Coronel TAUNAY apresentou-se em Washington DC às autoridades brasileiras com os integrantes do 1º/7º GAv pelo fim da missão realizada na US NAVY, e seguido após para Fresno – Califórnia onde seria concluído o recebimento dos primeiros P-15 que estavam sendo revisionados na Grand Central Aicraft Corporation tendo saído de Fresno – Califórnia em 17/12/58 chegando à Base Aérea de Salvador em 31/12/58.

Em 01/03/59 em viagem do Rio de Janeiro com destino a SAlvador, juntamente com sua família, para assumir o Comando da Base Aérea de a aeronave do Gabinete do Misnistro que conduzia o Coronel Aviador Dionysio Cerqueira de TAUNAY sofreu um grave acidente nas proximidades de Ilhéus (Bahia) não tendo havido nenhum sobrevivente.

De acordo com a Lei 1156/50, o Cel TAUNAY foi promovido “post-mortem” a Maj Brig em 13 de Abr 59.

† CEL. AV. DIONYSIO CERQUEIRA DE TAUNAY – 01/03/59

 

PROMOÇÕES

Praça- 03/04/1930 

G. Marinha – 01/12/1933 
2º Ten. – 26/12/1934 
1º Ten. – 30/07/1936 
Cap. Ten – 01/06/1940 
Maj AV – 04/12/1943 – antig. 
T. Cel Av – 25/09/1950 – mer. 
Cel Av – 15/07/1955 – mer. 
Transferido para aviação em 08/04/1937 
Transferido para MAer em 20/01/1941 
Passou a agregado em 24/11/1954 (de acordo com a letra “j” do art. 86 do Dec. Lei nº 9.698, de 02/09/1946).
CURSOS

Escola Naval – E. Nv

Aviação Naval – Av. Nv

Estado-Maior (Fort Leaven Worth, EEUU)

Estado-Maior da Aer – EMAer

CEMCAR – Sup

Esp. Ifm (ECEMAR)

FONTE: FAB
Leia mais...

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também

Close
Close
Close