AVIAÇÃO MILITARNOTICIASNOTÍCIAS MUNDO

Estes são os assassinos do bombardeiro lendário B-2 Spirit, segundo revista dos EUA

Ao longo de várias décadas o bombardeiro estratégico dos EUA B-2 Spirit era considerado onipotente e onipresente, invulnerável aos sistemas de defesa antiaérea e capaz de efetuar qualquer missão de forma eficaz. Porém, com o avanço tecnológico as capacidades furtivas do Spirit estão ameaçadas por novíssimos radares russos, segundo a mídia dos EUA.

“No fim das contas o B-2 perderá sua capacidade de penetrar no espeço aéreo do adversário devido a suas tecnologias obsoletas – a aeronave foi desenvolvida ainda no início dos anos 80”, afirmou o general Norton Schwartz, citado pela revista norte-americana The National Interest.

O jeito mais fácil de detectar um alvo furtivo é aumentar a potência dos radares. Não existem aviões completamente furtivos, as coberturas especiais e outras medidas somente diminuem sua visibilidade aos radares.

“Caso seja aumentada a potência de pulso do radar, bem como a sensibilidade de seu receptor, isso facilitará parcialmente a detecção e permitirá obter mais informações sobre o alvo”, considera Serdar Cadirci, especialista em radiolocalização da Escola Superior da Marinha dos EUA.

Contudo, neste caso, novos problemas surgirão. Um radar mais potente seria mais caro e mais volumoso. A sensibilidade aumentada vai captar muito ruído e falsos alvos, cuja filtração exigirá processadores potentes, o que no fim das contas afetaria o preço de todo o radar.

A Rússia escolheu outro caminho alterando as faixas de frequência dos radares. Mesmo os radares da família Nebo e Oborona, não sendo os mais novos, não têm dificuldade em detectar alvos furtivos. Embora não sejam capazes de orientar mísseis contra alvos, são úteis em sistemas de detecção. Os radares mais modernos, Nebo-SVU, Gamma-DE, bem como o Protivnik-DE já são capazes de orientar mísseis antiaéreos contra alvos furtivos com uma precisão muito alta.

Além disso, segundo a edição norte-americana, o exército russo possui outras ferramentas: radares biestáticos e multiestáticos, que escaneam o espaço, bem como novíssimos radares dispersores, capazes de detectar alvos por seus sinais de rádio. Segundo The National Interest, estes sistemas são extremamente eficazes.

Finalmente, a Rússia dispõe de potentes meios óticos de detecção. Suas ondas são muito mais curtas que as de outros radares, o que lhes proporciona uma alta precisão e raio de detecção. Os radares óticos recolhem muitas informações importantes sobre o alvo vigiado. Caso vários radares deste tipo vigiem o alvo em rede, a rapidez e qualidade de detecção de alvo aumentam muito.

fonte: sputnik

Leia mais...

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close
Close