AVIAÇÃO COMERCIALNOTICIASNOTÍCIAS MUNDOSem categoria

Companhias “tradicionais” ganham mercado nas ligações aéreas de Portugal para Espanha

Portugal é a segunda origem de passageiros de voos internacionais para os aeroportos espanhóis que mais está a crescer este ano e com a particularidade de serem as chamadas companhias “tradicionais” que mais crescem e ganham quota de mercado às low cost.
Estatísticas publicadas pelo IET – Instituto de Estudos Turísticos, a partir de dados da AENA, empresa que gere os aeroportos espanhóis indicam que as chegadas a Espanha de passageiros procedentes de Portugal aumentaram em média 10,8% nos meses de Janeiro a Maio, inclusive, com as companhias “tradicionais”, onde se incluem, designadamente, TAP, Iberia, Air Europa e Air Nostrum, a terem um crescimento de 12,4%, enquanto as low cost, onde contam, designadamente, a easyJet, a Ryanair, a Air Berlin e a Vueling crescem 8,7%.
Segundo o IET, dos 558,6 mil passageiros que chegaram nestes cinco meses aos aeroportos espanhóis procedentes de Portugal, 333,3 mil voaram em companhias “tradicionais” e 225,2 mil em low cost.
Desta forma, as companhias “tradicionais” tiveram 59,7% do tráfego de Portugal para Espanha, tendo tirado cerca de 0,85 pontos de quota de mercado às low cost.
Esta tendência foi ainda mais acentuada no mês de Maio, em que segundo o IET as chegadas a Espanha de passageiros procedentes de Portugal cresceram 8%, com aumentos em 9,7% em voos de companhias “tradicionais” e de 5,5% nas low cost.
Ao todo, diz a informação, chegaram a Espanha 120,59 mil passageiros procedentes de Portugal, 60,4% deles (72,8 mil) em voos de companhias “tradicionais”, que ganharam quase um ponto de quota de mercado às low cost (47,7 mil passageiros).
Para o conjunto das chegadas de voos internacionais a Espanha, porém, a tendência é inversa, uma vez que segundo o IET a queda de 0,2%, para 19,838 milhões nos primeiros cinco meses deste ano, se deve à queda em 2,2% nos voos das companhias “tradicionais”, para 9,2 milhões, que não foi totalmente compensada pelo crescimento em 1,6% das low cost, para 10,6 milhões.
De acordo com estes dados, as low cost foram as transportadoras de 53,5% dos passageiros que chegaram a Espanha nos primeiros cinco meses deste ano, mais quase um ponto que no período homólogo de 2009.
No mês de Maio, embora as “tradicionais” tenham aumentado o número de passageiros nos seus voos internacionais para os aeroportos espanhóis em 1,7%, para 2,24 milhões, as low cost cresceram de forma mais forte (+5,6%, para 3,099 milhões) e aumentaram a quota de mercado no mês para 58%.
A informação do IET indica que em Maio 27% dos passageiros chegados a Espanha voaram desde o Reino Unido (1,44 milhões), seguindo-se a Alemanha, com 20,3% (1,081 milhões), Itália, com 8,4% (451,1 mil), França, com 7% (375,1 mil), Holanda, com 4,2% (226,16 mil), Bélgica, com 3,3% (175,2 mil), Suíça, com 3,2% (172,7 mil), Irlanda, com 2,6% (137,49 mil), Portugal, com 2,3% (120,59 mil), Dinamarca, com 1,7% (90,8 mil) e Suécia, com 1,5% (80,9 mil).
Os restantes mercados representaram 18,5%, com 987,67 mil.
Em relação a 2009, só as chegadas do Reino Unido e Irlanda foram inferiores às de Maio de 2009, em 7,7%, para 1,44 milhões, e em 20,4%, para 137,49 mil, respectivamente.
No caso do Reino Unido, essa queda concentrou-se nos voos das companhias “tradicionais”, que tiveram um decréscimo de 23,8%, para 223,8 mil, embora também as low cost tenham baixado, em 4%, para 1,2 milhões.
No caso da Irlanda, a queda deu-se com um decréscimo em 10,6%, para 121,69 mil, nas low cost, que têm 88,5% do mercado.
Os crescimentos mais fortes foram nas chegadas da Suécia, em 18,3%, conjunto dos países não especificados, em 18,3%, Dinamarca, em 12,2%, Itália, em 11,6%, e Holanda, em 10%.
Nos cinco meses de Janeiro a Maio, inclusive, a queda das chegadas a Espanha de passageiros de voos internacionais (-0,2%) é provocada pelas quebras nas ligações procedentes do Reino Unido, em 10,3%, para 4,66 milhões, Alemanha, em 1,6%, para 3,63 milhões, França, em 4,1%, para 1,42 milhões, e Irlanda, em 23%, para 436 mil.
Os crescimentos mais fortes neste período são nas chegadas da Dinamarca, em 12,9%, para 416,1 mil, de Portugal, em 10,8%, para 558,6 mil, e do “resto dos países”, em 10,7%, para 4,38 milhões.

FONTE: PressTur

Leia mais...

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close
Close