AirbusNOTICIASNOTÍCIAS BRASILTECNOLOGIA

Airbus apresentou o “taxidron”, um híbrido entre carro e drone

Airbus apresentou em Amsterdã um protótipo de seu “taxidron”, uma invenção para no futuro transportar pessoas grandes centros urbanos.

“Estamos confiantes de que este mercado vai ser muito rentável e vamos ver uma evolução gradual ao longo dos próximos cinco anos”, disse à Agência Efe o engenheiro industrial da Airbus, Eduardo Domínguez Porta.

Juntamente com a Audi, parceiros na fabricação deste novo dispositivo chamado “Pop.Up Next”, ambas as empresas fizeram uma demonstração ao vivo no centro de conferências RAI deste modelo desenhado por Italdesign.

Veículo híbrido

O veículo, é um drone não tripulado e ambos fazem uso da combinação da velocidade de um vôo e a versatilidade de um carro para o transporte de pessoas.

Tudo isso é muito promissor, mas agora requer uma definição de rotas aéreas e é por isso que a Airbus já elaborou uma arquitetura de como esse sistema deveria ser, e está tentando definir com mais precisão os aspectos militares e comercial.

O próximo passo é estabelecer o “ecossistema que esses veículos vão precisar”, disse o engenheiro, e depois integrá-lo às cidades, não apenas em ambientes urbanos, mas também em aeroportos e espaços tradicionais de tráfego aéreo.

“O que provavelmente fazemos é adaptar as infraestruturas aeroportuárias e introduzir um espaço para este tipo de veículos, em estreita colaboração com os serviços de tráfego aéreo para integrar as operações que serão mais urbanas”, acrescenta o diretor do aeroporto.

Em alguns países, como a Suíça, os drones já podem entregar pacotes em casa, mas em outros como a Holanda ou a Espanha isso não é permitido devido à ausência de legislação.

Solução contra o congestionamento nas grandes cidades

Esta invenção, que à primeira vista parece ficção científica, pode ser a chave para aliviar o congestionamento das grandes cidades, dividindo o tráfego entre o ar e a terra, disseram os engenheiros.

“Não estamos fazendo isso para drones, aeroportos ou redes de logística. Estamos fazendo isso pelo povo. Todos os nossos esforços podem ser em vão, se não tivermos o apoio da sociedade. Precisamos que este mercado seja aceito”, concluiu o Comissário Europeu.

fonte: Engenharia É
Por: Any Karolyne Galdino

Leia mais...

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close
Close